domingo, 19 de maio de 2013

retalhos

vai se esvaindo,                                         
de pouco  
em 
pouco.

cada verso,
é uma palavra a mais
e um minuto a menos...

não há nada se possa escrever antes de viver,
não há nada,
nada, nada...

e há tão pouco,
de mim ,
pra se 
dizer...

... tão pouco de tudo,

há de se costurar vazios no escuro,
apanhar silêncios em versos
e nada mais 
que há de importar...
                                                                                                                        

são as peças soltas,
de tudo 
que já não se encaixa
mais em 
mim


e o que haveria de encaixar?
                      e o que haverá?

haverei de ver,



haverá de enxergar.


não se pode prever, 
o dançar dos ponteiros,
os enlaces
tão fora do meu tempo...



é um quebra-cabeça,
que te quebra
e me parte.





há de costurar-me o verso,
em branco,
pálidas folhas,
em pele minha.



vai se 
           e
            s   v  ai
                       n do,                                         
                                               de pouco  
                                          em 
                                                   pouco.

cada verso,
é uma palavra a mais,

um minuto
a....

                                                                                                          poesia,  em retalhos
                                                                                                  de vida,
                                                                                                      em mim.

                                                                                   

Um comentário:

  1. Inteligência magnifica. valeu mesmo poesia tbm é imagem. Abraços

    ResponderExcluir