quarta-feira, 28 de novembro de 2012

o café na caneca esquecida no canto,
esfriou,

e eu que me esqueci no canto,
esfrie.

o cigarro que me aquece os lábios,
me apaga 
dor
e peito.

e as letras e s c
                    o
                   r
                      r
                    e
                         m   e    c o r re m  de um canto a outro do corpo
                                                         no vão do
                                                                      meu peito ao
                                                                                        chão.

ao chão de mim  
ficam 
os versos,
e as cinzas de cigarros e dias mal tragados...

ao chão de mim,
fica a cinza da cinza,

hora em hora...

o café frio,
e caneca esquecida...

e eu ao lado da caneca, esquecida no canto,
ao chão 

de mim.

ardendo
só,
nos goles frios de café,  nos vãos do peito, ao chão da vida...

Um comentário:

  1. café e cigarros... marasmo.
    essa poesia da vontade de abrir janelas.

    ResponderExcluir